ACOMPANHE📺

Sintep adota estado de greve em MT e marca paralisação para dia 18 de agosto

O Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Mato Grosso (Sintep-MT) decidiu em assembleia geral nesta segunda-feira  (2) que a categoria vai adotar o “estado de greve” e fazer uma paralisação no dia 18 de agosto, contra o retorno das aulas presenciais determinadas pelo governo e pela justiça estaduais.

O estado de greve é uma forma dos sindicatos avisarem aos governantes que, a qualquer momento, os profissionais poderão decretar a greve oficialmente.

As 728 escolas estaduais de Mato Grosso retomam as atividades, na modalidade híbrida, nesta terça-feira (03). Para o Sintep, a medida coloca em risco a vida dos profissionais da Educação, dos alunos e dos familiares destes, por conta da pandemia do coronavírus. O presidente da entidadde, Valdeir Pereira, lembra que a vacinação dos profissionais ainda não foi concluída e a taxa de imunização no estado ainda é considerada baixa.

“Essa decisão [retorno às aulas] é uma decisão equivocada, que cabe refutar. Haverá, por parte da categoria, a denúncia das condições precárias das nossas escolas. Os pais estarão correndo risco desnecessário, porque o  governo, negligente, demonstra que não está preocupado com a vida”, disse o sindicalista. 

Também nesta segunda-feira,  a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), sob Alan Porto. realizou um evento em Várzea Grande. Na oportunidade, o secretário garantiu que a decisão é segura.

Assine nosso boletim de Noticias

“Neste 1 ano e 4 meses com os alunos longe das salas de aulas, os professores se desdobraram para desenvolver as atividades. Mas a ciência já demonstrou que o ambiente escolar é seguro e nossas escolas estão preparadas. Vamos iniciar o processo de recuperação da aprendizagem”, destacou o secretário de Educação, Alan Porto.

Apartir de quarta-feira (04), os alunos começam a voltar para as escolas, em sistema de revezamento que segue planejamento de cada unidade escolar. É o momento de conhecerem a escola, a nova rotina, como vão funcionar os protocolos de biossegurança que garantem o retorno seguro.

Alan Porto também reforçou que a Seduc, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde, vai monitorar diariamente o retorno na modalidade híbrida para que a segurança dos profissionais e estudantes esteja garantida.

“Foram meses de planejamento. O Governo do Estado investiu mais de R$ 170 milhões para este retorno. Seguindo todos os protocolos e planos de contingência já definidos, vamos fazer o retorno seguro. Precisamos que nossos estudantes estejam dentro da escola ou corremos o risco de condenar uma futura geração. O compromisso do Estado e dos profissionais da educação é com mais de 393 mil estudantes. Vamos juntos fazer o que mais entendemos, fazer educação”.

Hipernoticias

Notícias relacionadas