ACOMPANHE📺

Galvan chega em cima de trator para depor na PF e afirma tentar derrubar decisão do STF, Veja fotos

Em cima de um trator, o presidente da Associação de Produtores de Soja e Milho, a Aprosoja Brasil, Antônio Galvan, chegou para depor na sede da Polícia Federal em Sinop, na manhã desta segunda-feira (23/08).

O produtor rural afirmou que vai respeitar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de não se aproximar da Praça dos Três Poderes, em Brasília, no dia 7 de setembro, mas que vai entrar na Justiça para recorrer à decisão.

O ministro Alexandre de Moraes determinou que Galvan e os demais alvos da operação deflagrada na sexta-feira passada (20/08), não se aproximem menos de um quilômetro da Praça dos Três Poderes, em Brasília. “Os advogados estão olhando essa situação, e a gente vai pedir logicamente pra derrubar ela”, disse em coletiva de imprensa.

Um requerimento da Procuradoria Geral da República (PGR) ao ministro do STF Alexandre de Moraes, que resultou em buscas e apreensões da Polícia Federal (PF) indica que o presidente da Aprosoja Brasil, Antônio Galvan, seria um dos possíveis patrocinadores do que foi apontado como ‘ato violento e antidemocrático’ a ser realizado no dia 7 de setembro, em Brasília.

Galvan assegura que a manifestação parte de diversos movimentos espalhados pelo Brasil. “São dos próprios movimentos de rua que buscam sim essa liberdade, pessoas corajosas, que não se entregam e não vão se entregar para nós mantermos a liberdade do nosso país”.

Assine nosso boletim de Noticias

De acordo com o Ministério Público, a mobilização começou a tomar forma em uma reunião realizada no dia 25 de julho no hotel no Blue Tree Premium Faria Lima, sob os auspícios do “Movimento Pro Brasil”.  A Procuradoria-Geral da República aponta que, aproximadamente, 20 pessoas participaram do encontro, entre as quais o próprio Marcos Antônio Pereira Gomes (Zé Trovão), Sérgio Reis, Eduardo Oliveira Araújo, Alexandre Urbano Raiz Petersen, Turíbio Torres, Juliano da Silva Martins e Bruno Henrique Semczeszm.

Diante dos fatos apontados pela PGR, o ministro determinou a busca e apreensão de documentos/bens que se relacionem aos fatos e delitos sob apuração, bem como de celulares, computadores, tablets e quaisquer outros dispositivos eletrônicos, nos endereços residenciais e profissionais do deputado federal Otoni Moura de Paulo Júnior – inclusive em seu gabinete, apartamento funcional – Marcos Antônio Pereira Gomes (“Zé Trovão”), Sérgio Bavini (cujo nome artístico é Sérgio Reis), Eduardo Oliveira Araújo, Wellington Macedo de Souza, Antônio Galvan, Alexandre Urbano Raitz Petersen, Turíbio Torres, Juliano da Silva Martins e Bruno Henrique Semczeszm.

“Envolve a gente, mas em um assunto bom, eu acho que a gente tem que preservar a nossa liberdade e os nossos direitos e nós vamos a luta sim pela nossa liberdade e pelos nossos direitos com certeza”, conclui Galvan.

Capital Noticia

Notícias relacionadas